QUARESMA: " Reflexão Liturgia do IV Domingo da Quaresma . Por Padre Leomar Montagna
ENXERGAR, À LUZ DA FÉ, É VER ALÉM DA “VERDADE OFICIAL”

21/03/2020


Na Liturgia deste IV Domingo da Quaresma, veremos, na 1a Leitura (1Sm 16, 1b.6-7.10-13a), que Davi é ungido rei de Israel. O fato de não ser escolhido o primogênito põe em relevo não só a liberdade, mas também a iniciativa divina ao conduzir a história. Deus é soberano em suas decisões e não se deixa levar pelas aparências. Nas pessoas pobres e frágeis, Ele manifesta a grandeza de seu amor.
 
Na 2ª Leitura (Ef 5, 8-14), o Apóstolo Paulo afirma que a luta daquele que se tornou luz, em Cristo, não é só a de fugir do mal ou fazer o bem, mas também de denunciar as obras das trevas. O cristão continua, assim, a ação de Cristo.
 
No Evangelho (Jo 9, 1-41), desenvolve-se uma metodologia que consiste em descrever o trabalho que a pessoa deve enfrentar em sua passagem de uma situação puramente humana para uma situação de fé, isto é, o encontro daquele que é treva com Cristo-Luz. Isto supõe o reconhecimento da própria cegueira e a aceitação da luz de Cristo. “O cego de nascença simboliza o povo que nunca tomou consciência de sua própria condição de oprimido, e por isso não chegou a ver a verdadeira condição humana, o objetivo para o qual Deus o criou. A missão de Jesus, e dos que acreditam Nele, é mostrar essa possibilidade, a partir de uma prática concreta, mais do que com palavras” (Bíblia. Edição Pastoral, p. 1306).
 
O cego, como dito acima, é a personificação de um povo que é chamado a ver a realidade de forma crítica, a fé deve iluminar esta transformação. A conversão é progressiva, assim como o exemplo do cego, neste texto, que vê em Jesus “Aquele homem”; em seguida, “É um profeta”; e só mais tarde reconhece Jesus, o Salvador: “Eu creio, Senhor!”. A questão que nos vem é: Por que muitos não querem ver? Medo das consequências, ignorância, alienação, comodismo, preconceito. Ver além da ‘verdade oficial’ é perigoso, é desafiar a ordem estabelecida, gera polêmica; enfim, podemos dizer: o ‘pior cego é aquele que não quer ver’, mas aí o Evangelho nos traz as seguintes mensagens:
 
- Conversão é ver, é passar da cegueira à visão;
- Jesus tem o poder de fazer ver, a luz provém D’ele;
- Os cristãos são chamados a enxergar e a enfrentar as dificuldades. A cura da cegueira passa por crises e resistência, como das personagens relatadas no texto:
1º) Os Vizinhos percebem o dom da vida em Jesus, mas não dão um passo adiante, não saem da ‘vidinha de sempre’.
2º) Os Fariseus e Grupos Religiosos conhecem a luz, mas não a acolhem e ainda hostilizam os seguidores. Querem manter o povo cego e dependente, caso contrário, o povo ficaria independente e não aceitaria mais ‘as esmolas’, daria um salto qualitativo na dignidade, nos direitos e na justiça social.
3º) Os Pais não se comprometem, ficam com medo, isto é, ficam onde estão.
 
Nesta Quaresma, agradeçamos a Deus que nos cura de nossas trevas, concedendo-nos a graça de poder ver tudo à luz da fraternidade e da solidariedade.
 
Boa reflexão e que possamos produzir muitos frutos para o Reino de Deus.

Periódico Registrado em 04/09/2018 no Cartório de Registro de Títulos e Documentos e no Registro Civil de Pessoas Jurídicas de Maringá.
Protocolado e digitalizado sob nº 491.574 e matriculado no livro "B" sob nº 51.
Desenvolvido e mantido por Logicomp Co.